Salvai Portugal - Ideias Precisam-se

Autor Tópico: O Acordo Parte 1  (Lida 2514 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Ruy Deus

  • Administrador
  • *****
  • Mensagens: 115
  • Likes: +13/-0
    • Ver Perfil
O Acordo Parte 1
« em: 16, Abril, 2012, 12:19:44 »
 
Portugal: Memorando de entendimento sobre condicionalismos específicos de política económica
Memorando da Troika
3 de Maio de 2011, 13:40

1.1. O Governo conseguirá um défice público inferior a 10068ME em 2011.
1.2. No resto do ano o governo vai implementar rigorosamente a lei do orçamento para 2011 e as medidas de consolidação orçamental adicionais introduzidas antes de Maio de 2011. O progresso será aferido contra os tectos trimestrais (cumulativos) definidos no Memorandum of Economic and Financial Policies (MEFP), incluindo o Technical Memorandum of Understanding (TMU). (3T e 4T 2011)
Política orçamental em 2012
1.3. Com base na proposta que será desenvolvida na primeira auditoria, o orçamento de 2012 vai incluir a recalibração do sistema de impostos, neutra em termos orçamentais, com vista a baixar os custos do trabalho e aumentar a competitividade (Outubro de 2011).
1.4. O governo atingirá um défice público de não mais de 7645ME em 2012. (4T 2012)
1.5. Ao longo do ano o governo irá, rigorosamente implementar a lei do orçamento para 2012. O progresso será aferido contra os tectos trimestrais (cumulativos) definidos no Memorandum of Economic and Financial Policies (MEFP), incluindo o Technical Memorandum of Understanding (TMU). (1T, 2T, 3T e 4T 2012)
1.6. As medidas seguintes serão definidas na lei do orçamento de 2012 (4T 2011), a menos que especificado em contrário:
Despesa
1.7. Melhorar o funcionamento da administração central, eliminando redundâncias, aumentando a eficiência, reduzindo e eliminando serviços que não representem um uso eficiente do dinheiro público. Isto deve produzir poupanças anuais de pelo menos 500ME. As autoridades portuguesas vão elaborar os planos que serão submetidos a apreciação no 1T 2012. Com este fim, o governo irá:
i.    Reduzir o número de serviços, mantendo a qualidade de provisão;
ii.    Criar um único gabinete de impostos, e promover a partilha de serviços entre as diversas partes da administração central;
iii.    Reorganizar os municípios e a prestação de serviços da administração central ao nível local;
   Fazer a avaliação regular da utilidade, face ao seu custo, dos vários serviços públicos que fazem parte do sector público de acordo com a definição das contas nacionais;
   Promover a mobilidade dos trabalhadores nas administrações centrais, regionais e locais;


vi.    Reduzir as transferências do estado para organismos públicos e outras entidades;
vii.    Rever os sistemas de remunerações e regalias nas entidades públicas e nas entidades que definem de forma independente os seus próprios sistemas de remuneração;
viii. Reduzir os subsídios aos produtores privados de bens e serviços.
1.8. Reduzir os custos na área da educação, com o objectivo de poupar 195 milhões de euros racionalizando a rede escolar através da criação de agrupamentos de escolas, redução das necessidades de pessoal, centralização de aquisições e de redução e racionalização das transferências para escolas particulares com acordos de associação.
1.9. Assegurar que a massa salarial do sector público como percentagem do PIB diminui em 2012 e 2013:

•    Limitar as admissões de novos funcionários na administração pública para se conseguir reduções anuais em 2012 a 2014 de 1% por ano no pessoal da administração central e 2% na administração local e regional;
•    Congelar os salários no sector do governo em termos nominais em 2012 e 2013 e constranger as promoções;

•    Reduzir o custo geral orçamentado dos esquemas de saúde para os empregados do governo (ADSE, ADM e SAD) baixando a contribuição do estado e ajustando a abrangência dos beneficios de saúde, com poupanças de 100ME em 2012.
1.10 – Controlar os custos no sector da saúde com base em medidas detalhadas mais abaixo no item “Sistema de Saúde”, conseguindo poupanças de 550ME;
1.11 – Reduzir as pensões acima de 1500E de acordo com a progressão aplicada aos salários do sector público em Janeiro de 2011 com o objectivo de conseguir poupanças de pelo menos 445ME;
1.12 – Suspender a aplicação de indexação de pensões e congelar as pensões, excepto para as pensões mais baixas, em 2012;
1.13 – Reformar o subsídio de desemprego com base em medidas detalhadas mais abaixo no item “Mercado de trabalho e educação”, produzindo poupanças a médio prazo de 150ME;
1.14 – Reduzir as transferências para as autoridades locais e regionais em pelo menos 175ME com vista a ter também este sector a contribuir para a consolidação orçamental;
1.15 – Reduzir os custos noutros corpos públicos e entidades em pelo menos 110ME;
1.16 – Reduzir os custos em empresas de capitais públicos com o objectivo de poupar pelo menos 550ME, por meio de:
i.    Conseguir uma redução sustentada média dos custos de operação em pelo menos 15%;
ii.    Aperto dos esquemas compensatórios e de regalias;
iii.    Racionalização dos planos de investimento para o médio prazo;
iv.    Aumento das receitas com actividades mercantis.
1.17 – Reduzir de forma permanente as despesas de capital em 500ME através da priorização de projectos de investimento e fazendo um uso mais intenso das oportunidades de financiamento dos fundos estruturais da UE.
Receitas
1.18 – Aplicação de uma regra de congelamento das despesas fiscais [NT: que correspondem às receitas fiscais que o estado deixa de receber quando é criado um benefício fiscal], bloqueando a criação de novos elementos de despesa fiscal e o aumento dos correntes. Esta regra dever-se-á aplicar a todos os tipos de despesa fiscal, quer de natureza temporária quer permanente, aos
níveis central, regional e local.
1.19 – Redução das deduções aos impostos das empresas e dos regimes especiais com um resultado de pelo menos 150ME em 2012. As medidas incluem:
i.    Abolição de todas as taxas reduzidas de imposto sobre empresas;
ii.    Limitar as deduções de perdas dos anos anteriores de acordo com a massa tributável e reduzindo o período para os resultados transitados para três anos;
iii.    Reduzir deduções fiscais e revogar as isenções subjectivas;
•   Restringir os benefícios fiscais, nomeadamente aqueles cujo desaparecimento já estava previsto no Estatuto dos Benefícios Fiscais e fortalecendo as regras de tributação para os automóveis das empresas;
•   Propor emendas para as leis de finanças regionais para limitar a redução do imposto das empresas nas regiões autónomas para um máximo de 20% face às as taxas aplicadas no continente.

1.20 – Redução dos benefícios fiscais e das deduções no IRS, que deverão resultar em pelo menos 150ME em 2012. As medidas incluem:
i.    Restringir os valores máximos de deduções de acordo com o escalão contributivo, com limites mais baixos aplicados aos maiores rendimentos e com zero deduções para o escalão de rendimentos mais elevado;
ii.    Aplicar limites máximos a categorias individuais através da (a) introdução de limites nas deduções de despesas de saúde; (b) eliminando a dedução de capital pago numa hipoteca e eliminando progressivamente a dedução de rendas e dos pagamentos de juro de uma hipoteca para casas que sejam primeira habitação; eliminar estas deduções para novas hipotecas (c) através da redução dos items passiveis de terem deduções ao imposto e revendo a tributação do rendimento em espécie;
iii.    Propor emendas às leis de finanças regionais por forma a limitar a redução do IRS nas regiões autónomas a um máximo de 20% face ao imposto aplicado no continente.
1.21 Aplicar IRS a todos os tipos de transferências sociais em dinheiro [a habitação social que é uma transferência em espécie, fica isenta] e assegurar a convergência das deduções de IRS aplicadas às pensões com aquelas aplicadas aos rendimentos do trabalho com o objectivo de conseguir pelo menos 150ME em 2012.
1.22 – Mudanças na tributação da propriedade para conseguir aumentar a receita em pelo menos
250ME através da redução substancial das isenções temporárias para casas ocupadas pelo proprietário. As transferências do governo central para as autarquias serão revistas por forma a assegurar que as receitas adicionais serão usadas exclusivamente para consolidação orçamental.
1.23. Aumentar as receitas do IVA para conseguir pelo menos 410ME para um ano inteiro, por meio de:
i.    Reduzir as Isenções fiscais no IVA;
ii.    Mover categorias de bens e serviços dos escalões reduzido e intermédio para os escalões mais altos do IVA;
iii.    Propor emendas às leis de finanças regionais por forma a limitar a redução do IVA a um máximo de 20% nas regiões autónomas, face ao aplicado no continente.
1.24 Aumentar os impostos sobre o consumo em 250ME em 2012. Em particular através de:
i.    Aumento do imposto automóvel e redução das isenções;
ii.    Aumento dos impostos sobre o tabaco;
iii.    Indexar estes impostos à inflação subjacente;
iv.    Introduzir impostos sobre o consumo de electricidade de acordo com a directiva da EU 2003/96.
1.25 Aumentar os esforços de combate à evasão fiscal, fraude e informalidade com vista a aumentar a receita em pelo menos 175ME em 2012.
Política orçamental em 2013
1.26. O governo atingirá um défice público de não mais de 5224ME em 2013. (4T 2013)
1.27. Ao longo do ano o governo irá rigorosamente implementar a lei do orçamento para 2013. O progresso será aferido contra os tectos trimestrais (cumulativos) definidos no Memorandum of Economic and Financial Policies (MEFP), incluindo o Technical Memorandum of Understanding (TMU). (1T, 2T, 3T e 4T 2012)
1.28. As medidas seguintes serão definidas na lei do orçamento de 2013 (4T 2012), a menos que especificado em contrário:
Despesa
1.29 – Aprofundamento das medidas introduzidas na lei do orçamento de 2012 com vista a diminuir as despesas nas áreas de:
i.    Funcionamento da administração central: 500ME. Planos detalhados serão apresentados e avaliados antes do terceiro trimestre de 2012;
ii.    Racionalização da educação e da rede de escolas: 175ME;
iii.    Massa Salarial: reduções anuais de 1% por ano no número de funcionários da administração central e de 2% nas administrações regionais e locais;
•   Sistema de saúde dos funcionários públicos: 100ME;
•   Sector da saúde: 375ME;

vi.    Transferências para as autoridades locais e regionais: 175ME;
vii. Redução dos custos de outros corpos públicos, entidades e empresas de capitais públicos: 175ME;
viii. Despesas de capital: 350ME;
ix.    Manter a suspensão das regras de indexação das pensões excepto para as pensões mais baixas em 2013.
1.30. Para além disto, o governo irá aumentar a utilização de comprovação de rendimentos e melhoramento do alvo do apoio social conseguindo uma redução na despesa com benefícios sociais de pelo menos 350ME.
Receita
1.31. Aprofundamento das medidas introduzidas na lei do orçamento de 2012, conduzindo a receitas extras nas áreas seguintes:
i.    Matéria tributável do imposto sobre as empresas e redução dos benefícios e deduções fiscais: 150ME;
ii.    Benefícios fiscais e deduções fiscais no IRS: 175ME;
iii.    Taxação de todos os tipos de transferências sociais em dinheiro e convergência das deduções sobre o imposto de rendimentos das pensões e do rendimento do trabalho: 150ME;
iv. Impostos sobre o consumo: 150ME.
1.32. Actualização dos valores do imobiliário para efeitos de pagamento de impostos por forma a aumentar a receita em pelo menos 150ME em 2013. As transferências do governo central para as autarquias serão revistas para assegurar que as receitas adicionais serão usadas completamente para consolidação fiscal.
Política orçamental em 2014
1.33. O governo terá como objectivo ter um défice público de não mais de 4521ME em 1014. As medidas necessárias serão definidas na lei do orçamento de 2014. (4T 2013).
1.34. Ao longo do ano o governo irá, rigorosamente implementar a lei do orçamento para 2013. O progresso será aferido contra os tectos trimestrais (cumulativos) definidos no Memorandum of Economic and Financial Policies (MEFP), incluindo o Technical Memorandum of Understanding (TMU). (1T, 2T, 3T e 4T 2013).
1.35. Com a lei do orçamento de 2014, o governo irá aprofundar as medidas introduzidas em 2012 e 2013 com vista em particular a alargar a base tributável e moderar as despesas primárias por forma a conseguir um decréscimo do rácio de despesa pública no PIB.


« Última modificação: 06, Outubro, 2015, 10:03:08 por Ruy Deus »

Offline Ruy Deus

  • Administrador
  • *****
  • Mensagens: 115
  • Likes: +13/-0
    • Ver Perfil
Re: O Acordo Parte 2
« Responder #1 em: 15, Julho, 2012, 10:51:18 »
                              Caixa Geral de Depósitos (CGD)
2.5. O Grupo estatal CGD será optimizado por forma a aumentar o seu capital de base do seu núcleo duro bancário como for necessário. Espera-se que o Grupo CGD aumente o seu capital para o novo nível exigido recorrendo a fontes internas e à melhoria a sua própria governação. Isto incluirá um plano temporal mais ambicioso para a já anunciada venda do sector de seguros do grupo, seguir um programa para se desembaraçar das subsidiárias que não façam parte do seu núcleo e, se necessário, a redução das actividades no estrangeiro.
                                                   
O GOVERNO ESTÁ A CUMPRIR!

                   Banco Português de Negócios
2.10. As autoridades estão a lançar um processo de venda do Banco Português de Negócios (BPN) num calendário acelerado e sem um preço mínimo. Para este fim, um novo plano será submetido ao CE para aprovação tendo em conta as regras da concorrência. O objectivo é encontrar um comprador pelo final de Julho de 2011, o mais tardar.
2.11. Para facilitar a venda, os três veículos especiais que detém os seus activos não performantes e os seus activos fora do núcleo duro foram separados do BPN e mais activos poderão ser transferidos para estes veículos como resultado das negociações com os compradores em perspectiva. O BPN também vai lançar um programa mais ambicioso de corte de custos de modo a tornar a sua compra mais atraente aos investidores.
2.12. Quando uma solução for encontrada, os créditos garantidos pelo estado da CGD e todos os veículos especiais serão tomados pelo estado de acordo com uma calendarização a ser definida na altura.


O GOVERNO JÁ CUMPRIU

         Parcerias Público Privadas
O governo irá:
3.17. Evitar entrar em novo acordo PPP antes de se completar a revisão dos acordos PPPs existentes e as reformas legais e institucionais propostas (ver mais abaixo). (Em execução)
3.18. Fazer, com a assistência técnica da CE e do FMI, uma avaliação inicial de pelo menos os 20 contratos de PPP mais significativos, incluindo os PPPs das Estradas de Portugal e cobrindo um vasto leque de sectores. (3T 2011)
3.19. Recrutar uma firma de topo internacional de contabilidade para levar a cabo um estudo mais
detalhado das PPPs consultando o INE e o Ministério das Finanças. O estudo identificará e, onde praticável, quantificará os passivos e quaisquer montantes que possam vir a ser pagos pelo governo. Vai aferir a probabilidade de qualquer um dos pagamentos pelo governo em relação a passivos contingentes e quantificar esses montantes. O estudo vai aferir a exequibilidade de reduzir as obrigações financeiras do governo em qualquer PPP ou contrato de concessão. Todos os PPPs e contratos de concessão estarão disponíveis para estes estudos. (4T 2011)


AQUI O GOVERNO ESTÁ A FALHAR PORQUE NÃO CONSEGUE ACABAR COM A MAMA DOS "PRIMOS"                                                                                                     

Offline Ruy Deus

  • Administrador
  • *****
  • Mensagens: 115
  • Likes: +13/-0
    • Ver Perfil
Re: O Acordo Parte 3
« Responder #2 em: 16, Julho, 2012, 11:39:53 »
Privatizações
3.30. O Governo vai acelerar o seu programa de privatizações. O plano existente, elaborado com horizonte até 2013, cobre as áreas dos transportes (Aeroportos de Portugal, TAP, e o ramo da carga da CP), da energia (GALP, EDP e REN), das comunicações (Correios de Portugal) e seguros (Caixa Seguros), assim como um número de pequenas empresas. O plano tem como objectivo receitas de 5500ME até ao fim do programa, com apenas um desinvestimento parcial para todas as grandes empresas [?]. O governo compromete-se a ir ainda mais além, através do rápido e total desinvestimento das acções do sector público na EDP e REN, tem-se esperança que as condições de mercado permitam a venda destas duas companhias, assim como da TAP, pelo fim de 2011. O governo identificará, a tempo da segunda revisão, duas grandes empresas adicionais para privatização pelo fim de 2012. Um plano actualizado de privatizações será preparado até Março de 2012.
3.31. Preparar um inventário de activos, incluindo imobiliário, detido pelas municipalidades e governos regionais, examinando a abrangência para privatização. (2T 2012)

AQUI O GOVERNO AINDA NÃO FEZ QUASE NADA!

Offline Intruso

  • Novo Tuga
  • *
  • Mensagens: 24
  • Likes: +0/-0
  • Salvai Portugal Porra!
    • Ver Perfil
Re: O Acordo - Introdução e Indice
« Responder #3 em: 17, Agosto, 2012, 12:01:42 »
Introdução
Este documento tenta ser uma tradução fiel ao chamado Memorando da Troika, tornado público, em inglês, no dia 4 de Maio de 2011 por vários jornais. Infelizmente apenas foi disponibilizada uma versão em inglês. Os pormenores foram sendo regurgitados pela comunicação social, pelos spin doctors e demais suspeitos do costume.
Nenhuma destas entidades entendeu que os cidadãos do país deveriam ter acesso a 100% do documento sem nenhum tipo de interpretação feita à priori .
No Aventar não pensamos assim e por isso chamámos a nós a tarefa de fazermos a tradução na integra do documento, leitura obrigatória para qualquer português que se preocupe minimamente com o que o rodeia e com o que vai acontecer nos próximos 3 anos em Portugal. É especialmente importante para as pessoas que pensam por elas mesmas e rejeitam ser conduzidas pela comunicação social e pelos políticos.
Como o trabalho foi feito o mais depressa possível, e por amadores é normal que haja desde as simples gralhas aos erros mais grosseiros. Contamos com os leitores para encontrarmos estes erros. Se encontrar alguma incorrecção não hesite em contactar-nos para aventar.blogue@gmail.com.
Finalmente, em relação ao texto, tentámos manter as mesmas convenções utilizadas no original reservando o uso dos parênteses rectos para as notas de tradução.
As abreviaturas 1T, 2T, 3T e 4T, correspondem a primeiro, segundo, terceiro e quarto trimestre, respectivamente.
Índice
Introdução... i Índice...ii

1. Política orçamental...1 Política orçamental em 2011...................................................................................................1 Política orçamental em 2012...................................................................................................1 Despesa...2 Receitas...3 Política orçamental em 2013...................................................................................................5 Despesa...6 Receita...6

Política orçamental em 2014...................................................................................................7

2. Regulação e supervisão do sector financeiro...............................................................................8 Manter a liquidez do sector bancário.......................................................................................8 Desalavancagem do sector bancário......................................................................................8 Almofadas de capital...8 Caixa Geral de Depósitos (CGD)............................................................................................9 Monitorização da liquidez e solvência bancária......................................................................9 Regulação bancária e supervisão.........................................................................................10 Banco Português de Negócios..............................................................................................10 Quadro de resolução da banca.............................................................................................11 Fundo de garantia de depósitos............................................................................................11 Quadro de reestruturação da dívida empresarial e doméstica..............................................11 Monitorização do endividamento empresarial e das famílias................................................12

3. Medidas Fiscais Estruturais...13 Quadro de gestão das finanças públicas...............................................................................13 Reporting...13 Monitorização...14 Quadro orçamental...14 Parcerias Público Privadas...................................................................................................15 Empresas Públicas...16 Privatizações...17 Administração das receitas...................................................................................................18 Administração Pública...19
Administração central, regional e local.............................................................................19
Serviços partilhados...20 Recursos Humanos...20 Sistema de Saúde...21 Financiamento...21 Preços e reembolso de produtos farmacêuticos...............................................................22 Sector farmacêutico...23 Compras e procurement centralizados.............................................................................23 Serviços de cuidados primários de saúde........................................................................24 Serviços hospitalares...24 Serviços Cruzados...25
4. Mercado de trabalho e educação...............................................................................................26 Mercado de trabalho...26 Prestações de desemprego..............................................................................................26 Legislação de protecção ao emprego...............................................................................27 Regimes de tempo de trabalho.........................................................................................29 A fixação dos salários e a competitividade.......................................................................29 Políticas activas para o mercado de trabalho...................................................................31
Educação e formação...31
5. Mercados de bens e serviços...33 Mercados de Energia...33 Liberalização dos mercados da electricidade e do gás.....................................................33 Custos adicionais associados à produção de electricidade em regime ordinário..............34 Regimes de apoio à produção de energia em regime especial (co-geração e renováveis) ...34 Instrumentos de política energética e taxação..................................................................35 Telecomunicações e serviços postais...................................................................................35 Telecomunicações...35 Serviços Postais...36 Transportes...36 Plano estratégico para os transportes..............................................................................36 Sector Ferroviário...37 Portos...38 Outros sectores de serviços..................................................................................................38
Legislação específica do sector de serviços.........................................................................38 Qualificações profissionais...............................................................................................39 Profissões reguladas...39 Carga Administrativa...39


6. Mercado habitacional...41 Mercado de arrendamento...41 Procedimentos administrativos para renovação....................................................................41 Tributação das propriedades.................................................................................................42

7. Condições de enquadramento...43 Sistema judicial...43 Processos pendentes...43 Gestão dos tribunais...43 Alternativas para a resolução de litígios fora dos tribunais....................................................44 Processos cíveis nos tribunais..............................................................................................44 Orçamento e alocação ou recursos.......................................................................................45

8. Concorrência, compras públicas e ambiente de negócios..........................................................46 Concorrência e reguladores sectoriais..................................................................................46 Processo público de compras ..............................................................................................47 Ambiente de negócios...48

Offline Intruso

  • Novo Tuga
  • *
  • Mensagens: 24
  • Likes: +0/-0
  • Salvai Portugal Porra!
    • Ver Perfil
Re: O Acordo - Regulação e supervisão do sector financeiro
« Responder #4 em: 17, Agosto, 2012, 12:07:31 »
2. Regulação e supervisão do sector financeiro
Objectivos:
Preservar a estabilidade do sector financeiro; manter a liquidez e apoiar um processo de desalavancagem equilibrado e ordenado no sector bancário; reforçar a regulação e supervisão bancária, levar a bom termo o caso do Banco Português de Negócios e agilizar a Caixa Geral de Depósitos; reforçar o quadro de resolução de crises bancárias e reforçar o Fundo de Garantia de Depósitos; reforçar os quadros de falência de empresas e famílias. Manter a liquidez no sector bancário.
Manter a liquidez do sector bancário
2.1. Sujeito à aprovação nos termos das regras de concorrência da UE, as autoridades estão empenhadas em facilitar a emissão de títulos bancários garantidos pelo governo num montante máximo de 35000ME, incluindo o actual pacote de medidas de apoio.
Desalavancagem do sector bancário
2.2. O Banco de Portugal (BdP) e o BCE, em colaboração com a Comissão Europeia (CE) e o FMI, estabelecerão objectivos claros de índices de alavancagem periodicamente e vão pedir aos bancos que concebam planos de financiamento de médio prazo específicos por instituição até ao final de Junho de 2011 por forma a alcançarem uma posição estável baseada nos mercados. Avaliações trimestrais serão conduzidas em consulta com o CE e FMI, que examinarão a exequibilidade dos planos de cada banco e as suas implicações para os índices de alavancagem, assim como o impacto no crédito agregado e na economia como um todo. O BdP pedirá os ajustamentos necessários a esses planos.
Almofadas de capital
2.3. O BdP instruirá todos os grupos bancários supervisionados pelo BdP para que cheguem a um rácio de capital Tier 1 de 9% pelo fim de 2011 e de 10 por cento o mais tardar pelo fim de 2012, sendo estes rácios mantidos a partir dai. Se necessário, usando os poderes previstos no segundo pilar dos acordos de Basileia II, o BdP vai também exigir a alguns bancos, baseando-se no
respectivo perfil de risco, que cheguem as estes níveis de capital mais elevado num plano mais acelerado, tendo em conta as indicações de solvência do quadro de avaliação de solvência descrito mais abaixo. Aos bancos será exigido que apresentem os planos que mostrem como tencionam chegar aos novos requerimentos de capital através de soluções de mercado, ao BdP, pelo fim de Junho de 2011.
2.4. No caso de os bancos não conseguirem atingir os seus objectivos dentro dos prazos, o assegurar destes requerimentos mais elevados de capital poderá requerer temporariamente o aprovisionamento de capital público para os bancos privados. Para o efeito, as autoridades aumentarão o veiculo de suporte à solvência bancária, em linha com as regras de ajuda dos estados da EU, com recursos de até 12000ME fornecidos ao abrigo do programa, que tem em conta a importância dos novos requerimentos de capital e que será planeado de tal forma que preserva o controlo do banco pelos seus donos não públicos numa fase inicial ficando também aberta a opção de compra do capital do estado. Os bancos que beneficiem de injecções de capital serão sujeitos a regras de gestão específicas e a restrições, também serão sujeitos a um processo de reestruturação em linha com os requerimentos de concorrência e ajuda da UE, isto servirá de incentivo à procura de soluções baseadas nos mercados.

Offline Intruso

  • Novo Tuga
  • *
  • Mensagens: 24
  • Likes: +0/-0
  • Salvai Portugal Porra!
    • Ver Perfil
Re: O Acordo Parte 3
« Responder #5 em: 19, Setembro, 2012, 10:52:34 »

Aqui o Govertno está muito atrasado! Cuidado q


Privatizações
3.30. O Governo vai acelerar o seu programa de privatizações. O plano existente, elaborado com horizonte até 2013, cobre as áreas dos transportes (Aeroportos de Portugal, TAP, e o ramo da carga da CP), da energia (GALP, EDP e REN), das comunicações (Correios de Portugal) e seguros (Caixa Seguros), assim como um número de pequenas empresas. O plano tem como objectivo receitas de 5500ME até ao fim do programa, com apenas um desinvestimento parcial para todas as grandes empresas [?]. O governo compromete-se a ir ainda mais além, através do rápido e total desinvestimento das acções do sector público na EDP e REN, tem-se esperança que as condições de mercado permitam a venda destas duas companhias, assim como da TAP, pelo fim de 2011. O governo identificará, a tempo da segunda revisão, duas grandes empresas adicionais para privatização pelo fim de 2012. Um plano actualizado de privatizações será preparado até Março de 2012.
3.31. Preparar um inventário de activos, incluindo imobiliário, detido pelas municipalidades e governos regionais, examinando a abrangência para privatização. (2T 2012)

AQUI O GOVERNO AINDA NÃO FEZ QUASE NADA!

Offline JohnWick7

  • Novo Tuga
  • *
  • Mensagens: 1
  • Likes: +0/-0
  • Salvai Portugal Porra!
    • Ver Perfil
Re: O Acordo Parte 1
« Responder #6 em: 08, Outubro, 2018, 06:18:46 »
Obrigado pela informação.